terça-feira, 14 de novembro de 2006

Diário em Hayward's Heath

18/08/06 - sexta-feira

Eu não vim para Europa em busca de diversão, lazer, férias. Não vim preparada para isso, não vim com essa expectativa. Como a maior parte do fim de semana com os jovens foi planejada para ser com entretenimento, fiquei meio sem lugar.

Hoje o dia foi bom, consegui conversar com vários adolescentes, fazer um pouco de amizade, me misturar. Eles são preciosos, alguns são cheios de problemas apesar de serem de famílias muito ricas. Não se vê muito propósito de vida fora do materialismo em que nasceram. Esperava mais tempo espiritual com eles, mas na verdade são um grupo bem imaturo espiritualmente. Pouca concentração e interesse médio ou pequeno na palavra e nas coisas de Deus.
Sei que é uma visão parcial, mas tudo o que pude observar já que o dia todo estávamos fora fazendo coisas divertidas (vendo um show de aviões de guerra, brincando na praia - fomos e voltamos de ônibus) e só agora a noite tivemos uns 40 minutos entre louvor e palavra (compartilhei meu testemunho muito rápido porque via a atenção deles se discipando). Sei que muitos são recém convertidos e muitos ainda estao no processo de conversão, mas oh Deus, tem misericórdia!



Tudo vai bem até aqui. Um pouco desapontada, querendo coisas espirituais - meu espírito está faminto - mas agora meu corpo esta cansado.

19/08/06 - sábado

Por um lado estou um pouco desapontada, sim! Desapontada porque esperava ter mais tempo "espiritual" com os jovens aqui, esperava que tivéssemos mais louvor, mais palavra, mais tempo de busca a Deus. Acho que estou um pouco "estragada" pelos nossos encontros no Brasil, pela intensidade e fome dos jovens aí.

Hoje a noite a reunião ajudou a quebrar um pouco meu desapontamento. O louvor foi muito bom com alguns momentos bem especiais e senti muita unção na palavra. Falei algumas coisas que tinha planejado, mas foi muito vivo pois o louvor trouxe bastante presença de Deus. Mas mesmo esse tempo não tirou completamente o desapontamento porque fiquei pensando o quanto seria bom se pudesse ter mais tempo com mais prioridade. Uma hora de culto, com 40 minutos de louvor e 20 de palavra é simplesmente MUITO POUCO. Especialmente quando eles já estão cansados depois de um dia cheio de muita atividade física (jogos e competições num campo aberto) e o culto comecou às 8h30.



Hoje de manhã fiz o devocional com eles. A atividade antes do devocional também. Organizei tipo um torta na cara (mas sem torta, só pasta de dentes) com perguntas bíblicas. Os líderes me assustaram dizendo que eles não sabiam nada, mas até que responderam bem (fiz perguntas muito simples, como faria em Moçambique). No devocional falei sobre Daniel com os meninos e Raabe com as meninas. Novamente os líderes tinham me assustado dizendo que os teens são pouco participativos, mas achei que foi até bom, talvez porque a expectativa já estava meio baixa e como a maioria foi bem responsiva, até que gostei. Acho que os líderes realmente não aproveitam bem os jovens - se forçassem mais, teriam mais resultados.

Já me enturmei bem com quase todas as meninas. Sao mais ou menos 15 meninas e 5 meninos. Estou bem e feliz, mas meu espírito está desejoso por mais, tinha maiores expectativas espirituais. Deus continua bom e fiel, sempre!

20/08/06 - domingo
O Cristianismo ainda é pregado como algo para nós fazermos, um esforco, um incentivo para nos tornarmos mais santos, mais puros, mais certos. Hoje no devocional o líder dos jovens falou algumas coisas que me fizeram ver o tanto que o evangelho tem sido modificado em todo mundo. Ele disse: "Não se espera de nós que não pequemos, mas que procuremos viver a vida mais santa possível." E citou os trapos de imundícia como sendo nossos pecados e não nossas boas obras. Como consequência todos são incentivados a fazer mais "boas obras", aumentando assim ainda mais os próprios trapos de imundícia.
Por outro lado, como mudar isso em jovens tão confusos e já cheios de complexos e problemas? Como dizer a eles que não prestam!? Que tudo que tentarem fazer de bem não tem utilidade alguma e não vai ser aceito por Deus. Como fazer isso sem levá-los à mais baixa auto-estima ao ponto de quererem se matar... credo! Acho que estou exagerando. O que não vemos é que na verdade essa é a única saida, a única verdade, a única solução para um mundo esforçado e sempre falhando. É só Jesus, só vê-lo, buscá-lo, ansiar por Ele. É algo que não pode ser planejado, programado, trabalhado. É um anseio que tem que nascer nos nossos corações na realidade.

21/08/06 - segunda-feira


Ontem foi um dia divertido. Depois que saímos do Youth Hostile (onde estavamos hospedados) umas 11h fomos para a margem de um rio não muito grande. Fizeram churrasco (basicamente hamburgers e salsicha) e passamos o resto do dia lá. Foi bom me sentir uma parte do grupo e já conseguir me conectar com os adolescentes e outros líderes. A gente brincou de french criquet (não muito cansativo), pulou no rio GELADO e depois saiu nas canoas para explorar o rio. A nossa canoa no início só vivia embaixo das árvores na beira do rio, mas depois pegamos a manha e conseguimos navegar reto. Foi bem divertido!

Um comentário:

Menestrel disse...

Uma vez fui para um acampamento de jovens da minha igreja atual e pensei: Esse vai ser mais espiritual, como preciso. Quero ver Deus se movendo.
Que nada, foi só festa e alegria, muita bagunça, diversão, realmente é interessante tudo isso, mas sei bem o que é ansiar por mais e nada acontecer.
O povo não quer Deus de fato, não quer.
Só Deus pode mudar isso.
Eu desisto de tentar mudar o sistema, ele não muda, deve ser destruído.